quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Odeio

Odeio os políticos portugueses. Odeio a forma como nos tratam, a forma como continuamos a ter-lhes algum respeito (votando neles, por exemplo), odeio a tacanhez deste país em que vivemos. Odeio a forma como nos roubam, a maneira como fogem às suas responsabilidades, odeio o vazio de uma perspectiva de futuro. E este ódio crescente fez-me hoje escrever o que sinto: desejo-lhes a todos, e sem qualquer excepção, uma vida de merda!

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Sinto-me um bocado chileno

Subitamente, passados já vários dias desde o acontecido, sinto-me um bocado chileno. As imagens dos mineiros aprisionados, e o esforço governamental para os tirarem das profundezas onde estão retidos, fez-me sentir um certo orgulho em ser (não sendo) também um pouco chileno. Porque a dor dos outros pode também ser a nossa dor. Porque a dor que sentimos nas pessoas que estão aprisionadas há mais de 50 dias numa espécie de inferno de terra e escuridão, mostra-se tão humana e sorridente, que me faz ter por eles (mineiros e família, governo e outras entidades que participam na recuperação desses 30 e tal homens) um enorme respeito. A coragem que todos demonstram parece irreal, inacreditável. E assim, por uma empatia que ultrapassa milhares de quilómetros, sinto-me um pouco chileno.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Play me a song, Tom!

Play me a song, Tom! Uma canção humana, negra, cheia de fumos e espirais de corpos femininos. Uma canção para me perder sozinho, sem sequer me preocupar que alguém me possa ver, de olhos fechados, e esboçando sorrisos que só eu conheço. Para que a possa cantar, dançando por dentro no enleio dos teus compassos. Play me a song, Tom! Nem que seja para me perder ao encontro de outros braços.

domingo, 26 de setembro de 2010

Zii e Zie em dose dupla


Vai ser gravado ao vivo um cd e dvd para comercialização (no Natal, suponho) do show Zii e Zie, que passou por Lisboa e Porto este ano, trazendo assim a Portugal, e uma vez mais, o meu adorado Caetano Veloso. A gravação decorrerá a 8 de outubro deste ano, no espaço Vivo Rio, em concerto único e com bilhetes já à venda. Se não fosse tão fora de mão...

sábado, 25 de setembro de 2010

Poema

O memória é sempre
esta travessia antiga
de algas e lembranças

Áridas salinas no cume da pele
e mais ainda quando avanças


sexta-feira, 24 de setembro de 2010

History of Modern (lembrando tempos antigos)


Eles estão de volta aos discos. Os O.M.D. regressam com History of Modern. Eu já o ouvi, e pareceu-me interessante. Acima de tudo, trago-os para o blog porque essa banda marcou-me nos meus anos teen, com álbuns como Organisation e Architecture & Morality. Em nome dessa (boa) memória, deixo aqui a ideia de os ouvirem.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Poema

São nuvens rasas
os teus olhos
os teus cabelos
as mãos

A neblina do teu corpo
ilumina os meus dias vãos


terça-feira, 21 de setembro de 2010

Paris por escrito

Dorme ao meu lado há já alguns dias. Esta espécie de diário (talvez mais diário do que literatura de viagens), cativa qualquer um. E eu, que tenciono perder-me por lá dentro de algumas semanas, tenho-lhe dado toda a atenção. Até mesmo de noite, sonhando com a cidade de Paris.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Toys r Us

Pode um filme de animação exceder todas as nossas expectativas, apresentando-se aos nossos olhos como uma obra perfeita?


Sim, pode.

domingo, 19 de setembro de 2010

Poema

Não me surpreende
o choro da noite

Nem mesmo a luz primeira
que faz o dia sorrir

Entre o choro e o sorriso
faz-se o caminho que há-de vir

sábado, 18 de setembro de 2010

Poema frutado

Como quem saboreia
um amor frutado
e nada mais tem a provar
a não ser a outra boca
o outro corpo
até o desejo findar

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Poema

Não se avista o fim
do fogo que se propaga
para além da vista
para lá do alcance
dos braços
e das mãos
que tudo fazem
para que o fogo se apague
ou delas se afaste

Só depois
será possível
recuperar o tempo
que desbravaste

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Ainda (e sempre) Sevilha

Sevilha, 44 graus! A sombra era um bem muito desejado nesse dia de Agosto. Sevilha ao sol, Sevilha à sombra. Um só sentimento. Um só prazer. Tórrido.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Estranha Equação (começa hoje, uma vez mais)

9ºA + 11ºC + 12ºA + 12ºB + Direcção de Turma + Orientação de Estágio + Coordenação do P.N.L. + Coordenação do 12º Ano + múltiplas actividades que surgirão a ÷ mais ou menos por 10 meses = Ano Lectivo 2010/2011!

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Poema

Já me esqueci de tudo
o que havia para lembrar

Agora só o que vem
será motivo para esquecer

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Ah, se assim pudesse ser!

Há um estranho dilema que nunca se consegue resolver. A idade avança e chega o tempo em que nos sentimos ainda um bocado putos por dentro, embora a carcaça comece a evidenciar o contrário. Ah, se tivéssemos pele de maçã e alguém pronto a descascar-nos!!!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Drácula, da Frigo



Quem não se lembra, nos anos 80, de se lambuzar com este magnífico gelado da Olá? Era (e é ainda) um dos meus preferidos, a par de um outro chamado Zézéssete (já não me lembro se a acentuação era, de facto, esta), de que ninguém mais se lembra, infelizmente! Este verão, nas nossas férias algarvias, fomos a Sevilha, e para minha total surpresa e satisfação, dei de caras com o tão desejado Drácula! Que prazer, após quase trinta anos! Exactamente o mesmo sabor, embora a embalagem seja diferente. Comi logo dois, para matar saudades. Nesta onda vampírica de filmes, séries, livros, novelas e sei lá mais o quê, fazia todo o sentido que a Olá voltasse a disponibilizar o seu Drácula. Estou certo que faria outras almas felizes, e não apenas a minha. Assim não sendo, terei de ser feliz em Espanha!

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

domingo, 5 de setembro de 2010

Falta de assunto?

Escusado será dizer, que quem escreve no seu blog diariamente, como eu escrevo, por vezes não tem especial assunto sobre o qual versar. Quando isso acontece, o que é raro mesmo assim, apetece-me ir embora para Pasárgada, porque "Em Pasárgada tem tudo/ ... / Tem prostitutas bonitas/ Para a gente namorar"*. Depois, reflicto e deixo-me de devaneios, porque há coisas que nunca fiz, não faço, nem farei.

* versos de Manuel Bandeira

sábado, 4 de setembro de 2010

KB


Andei anos a evitar Kill Bill (vá lá saber-se porquê...), e nestas férias vi os dois filmes da série. Vi-os na televisão, no Canal 1, se não me engano. Amei! Mais uma vez, Quentin Tarantino não falhou. Eu é que falhei o timing, obviamente!

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Poema

Gostava de regressar aos poucos
sem novidades
nem cansaços
firme e aprumado
como os vincos
de umas calças

Gostava de saber aos poucos
os dilemas das palavras
deste meu próprio
embaraço
de escrever

Gostava de ser a receita
para fazer bem
o que não sei
sem saber bem
o que faço