terça-feira, 21 de julho de 2009

Poema

Silêncio sozinho
colado à pele
à luz do dia
silêncio imenso
que arrepia
que une o agora
ao depois
até chegar
vindo de longe
outro silêncio
silêncio a dois
som em partilha
nesse vazio
onde o silêncio
preenche a casa
silêncio em nós
silêncio asa
que não esvoaça
até que juntos
somos silêncio
e tudo passa

1 comentário:

francisca disse...

el poder del silencio...la unión en el silencio

un abrazo,